Relatório de Atividades 2019

 

 

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE 2019

(Apresentado e aprovado na AG de 25 de Junho de 2020)

 

JANEIRO

– Como rescaldo e complemento das conclusões da conferência organizada pela AMSIC em 6 de Dezembro de 2018, foi feito um inquérito aos associados que pretendia obter sugestões sobre o tema “Desenvolvimento empresarial em Santarém”. Apenas foram recebidas nove respostas. Por não ter sido considerada massa crítica para conclusões, não houve relatório.

FEVEREIRO

Dia 13 realizou-se a primeira reunião do Conselho Consultivo da AMSIC no Fórum Mário Viegas), com a seguinte proposta de OT: 1- Informações 2- Criação de um Boletim/Revista da AMSIC (proposta da Direção) 3- Comemorações dos 150 anos de elevação de Santarém a cidade  (proposta da Direção) 4- Discussão sobre a possível deslocalização do monumento a Salgueiro Maia 5- Outros assuntos de interesse geral

Foi divulgada uma Carta Aberta do Presidente da Direção da AMSIC, dirigida ao Presidente da União das Juntas de Freguesia da Cidade de Santarém, reclamando a sua ação sobre a localização da casa Mortuária anunciada para o Bairro 16 de Março.

Lançada a Petição Pública online e em suporte de papel: “Casa Mortuária no Bairro 16 de Março, Não!”

Emitido um Comunicado com a posição da AMSIC, em relação à localização da projetada Casa do Benfica no Jardim da Liberdade, tendo sido distribuído à entrada da Assembleia Municipal de dia 28, aos deputados municipais.

 MARÇO

Saíram e foram distribuídas duas Newsletters:

Nº1: https://www.amsic.pt/2019/10/13/newsletter-no-1/ e Nº2:https://www.amsic.pt/2019/10/13/newsletter-no2/)

No dia 16, foi entregue nas instalações da Assembleia Municipal, a petição sobre a Casa Mortuária, dirigida ao senhor Presidente da Mesa e com 614 subscritores.

Realizaram-se no dia 27 duas assembleias gerais da AMSIC.

No último dia do mês foi formalizada a nossa candidatura ao PAAAC –Programa de Apoio ao Associativismo e Agentes Culturais, da CMS, que foi rejeitada por, alegadamente, não termos cumprido o prazo de entrega. Foi feita reclamação fundamentada, mas não foi aceite pelo júri.

ABRIL

Saiu o primeiro número do boletim da AMSIC (INTERVIR Nº1), que foi distribuído gratuitamente no dia 25 e seguintes, tendo sido colocado em várias papelarias da cidade. (https://www.amsic.pt/intervir/revista/)

A AMSIC impulsionou e liderou a recolha de subscritores de um Manifesto que rejeitava a localização da Casa do Benfica no Jardim da Liberdade e que foi subscrito por 32 pessoas com influência e reconhecida idoneidade no concelho. Este Manifesto teve um forte impacto e gerou muitos comentários pró e contra, na comunicação social e nas redes sociais.

MAIO

Foi emitido um comunicado criticando o modo como os comerciantes do Mercado Municipal foram tratados pela CMS – Newsletter Nº3: https://www.amsic.pt/2019/10/13/newsletter-no3/

Esteve agendada para dia 4 uma conferência sobre o futuro da ex-EPC, que não foi possível concretizar por não ter havido resposta em tempo útil por parte do principal participante na mesma e que seria o atual presidente da CMS.

O primeiro signatário da petição sobre a Casa Mortuária, apresentada pela AMSIC na AM, em Março, (Armando Rosa), participou em 27 de Maio numa reunião com a comissão da Assembleia Municipal, criada para redigir o relatório sobre essa petição. Para além de relatar todos os inconvenientes daquela solução, informou sobre possíveis alternativas já visitadas por técnicos da AMSIC e que cumpririam os requisitos básicos para se poder instalar a morgue, tendo até sido indicado o seu proprietário que estaria disponível para negociar o terreno com a CMS.

 JUNHO

A Direção da AMSIC solicitou uma reunião com a Senhora Diretora-Geral do Património Cultural, Arq.  Paula Silva, que teve lugar no dia 6 de Junho, no palácio da Ajuda. O tema foi a Casa do Benfica e a sua localização e eventual ilegalidade. Presentes em representação da AMSIC: Armando Rosa, Pedro Canavarro, José Magalhães, e Jorge Custódio. Pela DGPC, além da Diretora, participou o Arq. Carlos Bessa. Compreenderam a nossa posição e incentivaram a luta que deverá ser dos cidadãos, pois eles não podem fazer mais do que mitigar os impactos arquitetónicos do projeto que, na data, ainda não tinha entrado na DGPC. Aguardavam para análise e propor eventuais correções.

JULHO

Foi emitido um comunicado criticando a CMS por não ter aproveitado o apoio da CIMLT para a criação de um parque de autocaravanas: “SANTARÉM IGNORA APOIOS PARA AUTOCARAVANISMO – Newsletter Nº4: https://www.amsic.pt/2019/10/13/newsletter-no4/

Foi realizado, no dia 25, um jantar/tertúlia para discutir a situação das obras no Mercado Municipal e as consequências para os comerciantes: MERCADO MUNICIPAL DE SANTARÉM: PRESENTE E FUTURO, com a participação dos Arquitetos e sócios da AMSIC: José Augusto Rodrigues e Carlos Guedes Amorim.

SETEMBRO

No dia 12, realizou-se um jantar comemorativo do 2º aniversário da AMSIC com o palestrante convidado, Dr. José Pacheco Pereira

(https://www.amsic.pt/2019/10/25/jantar-2o-aniversario/)

OUTUBRO

Saiu e foi distribuída a INTERVIR Nº2: (https://www.amsic.pt/intervir/revista/)

NOVEMBRO

No dia 21, reuniu, pela segunda vez, o Conselho Consultivo da AMSIC, tendo como ponto único da Ordem de Trabalhos a apreciação e votação do Plano de Ação da Associação para 2020.

Decorreu no dia 26, na Casa do Brasil, um Colóquio/Debate sobre o tema “O Culto dos Mortos e o Caso de Santarém” – Newsletter Nº5: https://www.amsic.pt/2019/11/28/newsletter-no5/

DEZEMBRO

A AMSIC passou a ter o seu website (www.amsic.pt), acessível ao público em geral e onde os associados podem consultar os documentos restritos através de senha própria.

A Direção